Era uma vez um Palácio com obras de uma grande Rainha



Eu sempre admirei a criatividade e as obras de Joana Vasconcelos. A portuguesa que leva o nosso país além fronteiras através do seu trabalho. E como sabem eu sou fã destes portugueses que nos orgulham e nos deixam felizes por falarmos a mesma língua, por pisarmos o mesmo chão e por termos as mesmas raízes.

Quando soube que a Joana Vasconcelos estaria presente na Bienal de Veneza, este ano, com o projeto “Trafaria Praia” (um cacilheiro transformado em obra de arte que servirá de pavilhão de Portugal), ainda me atrevi a sugerir a J. que déssemos um pulinho a Veneza... Boa tentativa, mas não resultou. Afinal, estivemos lá há pouco tempo e voltar este verão seria uma verdadeira excentricidade. 

Creio que uma semana depois soube que a Joana Vasconcelos iria expor no Palácio Nacional da Ajuda. Fiquei muito feliz!

Depois do sucesso de Versalhes é a vez de o nosso país ser agraciado com uma exposição que ficará para sempre na nossa memória. Como aqueles acontecimentos que jamais esquecemos, mesmo que os anos passem, passem e passem... não esquecemos.


Seis dias após a inauguração... Lá estava eu, na fila, à espera para entrar nesta simbiose entre o Palácio Nacional da Ajuda e Joana Vasconcelos... Um Palácio com trabalhos de uma grande Rainha. A maior mostra individual da artista, onde obviamente estão as suas obras mais icónicas, inclusive a que foi rejeitada em Vesalhes! Somos muito sortudos!  Estou a falar-vos de obras como "Marilyn", a "Noiva", "Coração Independente Vermelho" e "Lilicoptère".

Adoro a diversidade de materiais que a Joana seleciona para as suas obras! Vai desde a Faiança Rafael Bordalo Pinheiro e renda a crochet dos Açores a talheres de plástico!

As obras foram integradas com uma elegância e subtileza que parece que sempre fizeram parte daquele espaço. A exposição revoluciona os nossos sentidos! Visão, audição, olfato e tato. Só faltou mesmo o paladar! Quando visitarem entenderão do que estou a falar. Foram cerca de duas horas de descoberta. Pura descoberta! Porque sempre que entrava num dos aposentos interrogava-me sobre como a Joana Vasconcelos me iria surpreender.
E a grande apoteose começa na Sala do Trono e termina na Sala de Exposições Temporárias.


Sabem aqueles filmes que vemos vezes sem conta e que continuamos a amá-lo como se o tivéssemos visto pela primeira vez? Pois! Eu voltaria vezes sem conta ao Palácio Nacional da Ajuda para visitar a exposição da Joana Vasconcelos!























Agora já posso dizer que tenho lá por casa uma réplica do "Coração Independente Vermelho"... é ligeiramente mais pequeno que o original :)

1 comentário

DB disse...

Se eu já tinha vontade de ir ver a exposição ... então agora fiquei mesmo muito entusiasmada!!!!
Excelente .

Com tecnologia do Blogger.