Uma lufada de romantismo, by Filipe Correia

Uma lufada de romantismo mãos dadas

Recusei-me a acreditar que ainda existem pessoas cheiíssimas de luz como tu, reneguei que me voltaria a apaixonar, passados três dias de te conhecer até tentei negar o teu cavalgar dentro de mim, mas foram os três dias mais escusados da minha vida, todo eu já era um hipódromo para ti…

O teu olhar lança-me a todas as horas um convite diferente, e pedes-me para viajar contigo, sem nada pedires. E eu pego nas tintas antigas e nas telas que deixei em branco e visualizo ilhas plenas de sol, areias quentes e mares paradisíacos. Não sei se é para lá que te quero levar, ou se a primeira viagem já se deu (para o meu interior).

Quando te calas, no silêncio, eu vejo como penetro no teu sistema circulatório e alimento de sangue puro esse teu coração. Sei que desde que me encontraste tens sentido umas estranhas cãibras no peito, e confusão temporal na tua mente. As cãibras acontecerão até que aceites que, por mais frágil como o cristal seja o teu coração, eu caminharei nele sorrateiramente, até que o tenhas ginasticado. A confusão temporal é porque já comecei a dragar os rios de lágrimas que acumulaste nele e pensaste inicialmente que isso demoraria tanto tempo a acontecer... Muito em breve apenas chorarás lágrimas doces.

Era para ser segredo, minha querida, mas onde morava a tua mágoa eu mandei construir uma praia de finos grãos de carinho e um pôr do sol no teto. No sítio onde tens os teus medos, mandei abrir alçapões e janelas. Agora o vento varre tudo o que não presta e leva tudo o que não precisas, tudo o que te prende irá para longe e eu cada vez mais perto ficarei.

Também já prometi rejuvenescer-te, perguntaste-me como... Pois bem, eu digo-te. Não há elixir da juventude mais potente do que o amor. Dar-te-ei amor... Amor como nunca te deram, amor na dose certa, amor verdadeiro, amor como nunca sentiste e se daqui a uns anos não te sentires mais nova, será porque não o soubeste receber de braços abertos. Mocidade em estado puro mais não é se não amor e esperança no futuro.

É para lá que  vou, é para lá que te levo. Dá-me a mão e vem de olhos fechados, que de olhos fechados não vês obstáculos fantasma e me sentirás melhor.

Toma as minhas prosas 2 vezes ao dia (de manhã e à noite), toma o meu amor em 10 gotas bem contadas e dissolvidas na água do mar que te banha e, em SOS, toma a loucura do romantismo que me assalta a cada minuto.

Já sou teu antes de o ter sido, porque sempre fui teu sem saberes, sem que nunca me tenhas conhecido... Percebes agora porque confias em mim e te parece que me conheces há anos?

Sorri. Levo-te daqui até à lua se for astronauta, mas se não for levo-te na viagem mais eterna possível e vais de foguetão para o meu coração.

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.